Doença crónica: intervenção do médico de família para limitar as repercussões na pessoa e na família

Published in 2020 by Maria Teresa Fernandes Ventura

Full text: Download

Publisher: Unknown publisher

Preprint: policy unknown. Upload

Postprint: policy unknown. Upload

Published version: policy unknown. Upload

Abstract
RESUMO: Perante a doença crónica de um dos seus elementos, a família enfrenta dificuldades e é pressionada a mobilizar mecanismos que não pertencem ao seu repertório habitual. Durante o processo de adaptação a esta situação, as reações da pessoa doente e dos outros elementos da sua família influenciam-se mutuamente, num processo que pode tornar-se em si próprio um problema, induzindo novos riscos para os familiares e para a própria pessoa doente. Assim, a família não deve ser excluída do processo de prestação de cuidados. A presente dissertação foca-se no impacte da doença crónica na pessoa doente e na sua família, analisa fatores de contexto que o influenciam e identifica tipologias de intervenções médicas promotoras de respostas adaptativas à doença. Estruturada em sete partes, na primeira parte desta dissertação demonstra-se a importância das doenças crónicas, focando o seu peso no padrão de morbilidade vigente e o seu impacte nos custos com a saúde, diretos e indiretos, na organização dos cuidados de saúde, na família e na pessoa doente, sendo neste dois últimos níveis de impacte que se centra a presente dissertação. Na segunda parte, fazemos uma revisão sobre as definições em questão nesta dissertação e as teorias que a enquadram, designadamente a teoria geral dos sistemas e o modelo bioecológico de desenvolvimento de Bronfenbrenner. Na terceira parte, justificam-se a opções metodológicas desta dissertação. Inserida no paradigma interpretativo, é grounded e utiliza dados qualitativos e quantitativos, numa triangulação de métodos e de análise. Para apoiar a fundamentação das opções feitas, descrevemos o diálogo entre paradigmas alternativos, incluindo a definição dos respetivos conceitos e normativos. Dado a retórica não se circunscrever à investigação quantitativa versus investigação qualitativa, mas também acontecer entre as diversas correntes desta última, passamos em revisão os seus distintos momentos históricos, uma vez que perduram e coexistem nas investigações atuais, bem como os seus critérios de cientificidade, envoltos em diversas polémicas que se arrastam no tempo, com uso de multiplicidade terminológica para conceitos afins, a que procurámos dar clareza, identificando os termos com conceitos subjacentes equivalentes e sistematizando-os. No tipo de investigação desta dissertação, a complexidade é aumentada pela inclusão do contexto, pelo que este é estudado em dois estudos empíricos que consituem a sua quarta parte e que caraterizam: a freguesia Santo Condestável, constituída por três bairros heterogéneos, com uma população envelhecida, sobretudo no bairro Campo de Ourique, onde predominam as famílias unitárias, potenciando fenómenos de isolamento; a morbilidade na prática clínica da Unidade de Saúde Familiar Santo Condestável, verificando-se que a população inscrita na unidade de saúde aproxima-se da população da comunidade de influência e que os problemas de saúde codificados mais frequentes entre as pessoas inscritas não são, necessariamente, os que mais vezes são objeto de intervenção médica nas consultas. A quinta parte é constituída pelo estudo nuclear da dissertação, “Doença Crónica: Intervenção do Médico de Família para Limitar as suas Repercussões na Pessoa e na Família”, que pretende investigar como os processos sociais, psicológicos e biológicos interagem para produzir repercussões diferenciadas da doença crónica na pessoa doente e nos seus familiares, resultando em trajetórias distintas de doença; e dar visibilidade às intervenções médicas de promoção de uma adaptação salutar à doença crónica. O estudo foi orientado para a descoberta, pelo que não colocámos hipóteses prévias e não definimos, à partida, as questões que delimitam os seus âmbito e foco, por estas serem suscetíveis de reformulação com a evolução do estudo, resultante do aprofundamento da familiarização e da reflexão sobre os fenómenos em análise. O estudo identificou 19 repercussões possíveis da doença crónica e 26 fatores condicionantes da adaptação à doença crónica modificáveis por intervenções médicas, tendo estas sido sistematizadas em 15 tipologias. Analisou, ainda, os processos pelos quais as variáveis demográficas, assim como o tempo histórico, podem modular a expressividade dos fatores condicionantes da adaptação à doença crónica identificados, entrelaçando-se com eles. O estudo evidenciou que, para não adoecer também funcional e psicologicamente, a pessoa doente e sua família devem evitar entregar-se à doença, dando apenas o que a doença precisa, e ter flexibilidade para promover as mudanças adequadas às exigências da nova situação e da fase do ciclo de vida em que se encontra. Mostrou, ainda, que a adaptação da família à doença crónica depende do tipo e fase da doença, das caraterísticas do seu tratamento, bem como de vários outros fatores intrínsecos e extrínsecos da pessoa doente e da família, podendo assumir padrões disfuncionais. As intervenções médicas nos estudos de caso que integram o estudo nuclear remetem para a importância do médico de família detetar problemas e favorecer a adaptação funcional ao longo do tempo, produzindo mudança, não só do ponto de vista orgânico, mas também pessoal e relacional. Na sexta parte, discutem-se os resultados da dissertação nas suas implicações para a prática médica e ensino da Medicina. Apresentam-se, ainda, algumas hipóteses de trabalhos futuros sobre o tema. Por último, a sétima parte é constituída por um glossário de conceitos utilizados no texto da dissertação, mas que, por não serem centrais no foco do estudo, não foram definidos e discutidos na sua segunda parte. ; ABSTRACT: Given the chronic illness of one of its elements, the family has struggled and is pressed to mobilize mechanisms that do not belong to their usual repertoire. During the process of adapting to this situation, the reactions of the sick person and other members of his family influence each other, a process that can become in itself a problem, leading to new risks for the family and for the ill person. Thus, the family should not be excluded from the process of care. This dissertation focuses on the impact of chronic disease in the sick person and his family, it analyzes the context of factors that influence and identifies types of Medical interventions that promote adaptive responses to disease. Structured into seven parts, the first part of this dissertation demonstrates the importance of chronic diseases, focusing its weight in the pattern of current morbidity and its impact on health care costs, direct and indirect, in the organization of health care, and in the family and the sick person, the latter two levels of impact which focuses this thesis. In the second part, we review the definitions in question in this dissertation and the theories that fall, including the general systems theory and the Bronfenbrenner´s bioecological model of development. In the third part, we justified the methodological options of this dissertation. Inserted in the interpretive paradigm is grounded and uses qualitative and quantitative data, a triangulation of methods and analysis. To support the rationale for choices made, described the dialogue between alternative paradigms, including the definition of the respective concepts and standards. Given the rhetoric not be limited to quantitative research versus qualitative Research, but also occur between the different currents of the latter, passed in review their distinct historical moments, since persist and coexist on current investigations, as well as their scientific criteria, involved in several controversies that drag on time, with the use of terminology related to multiple concepts, that we want to clearly identify the terms of equivalent underlying concepts and outline them. In the type of research of this dissertation, the complexity is increased by the inclusion of context, so this is studied in two empirical studies that constitute its fourth part and featuring: Santo Condestável parish, consisting of three heterogeneous neighborhoods with aging population, especially in the Campo de Ourique neighborhood, dominated by unit families, enhancing isolation phenomena; morbidity in the clinical practice of Family Health Unit Santo Condestável, verifying that the population enrolled in the health unit approaches the community of influence and health problems population coded more frequent among those enrolled are not, necessarily, who more often are subject of medical intervention in consultations. The fifth part is constituted by the nuclear study of the dissertation, "Chronic Illness: Family Physician Intervention to Limit their Repercussions on the Person and Family", which aims to investigate how the social, psychological and biological processes interact to produce different effects of the disease in chronic ill person and their families, resulting in distinct pathways of disease; and give visibility to medical interventions to promote a healthy adaptation to chronic illness. The study was guided to the discovery, so we haven’t placed previous hypotheses and have not defined at the outset the issues that define its scope and focus, for these are susceptible to reformulate the evolution of the study resulting from deepening familiarization and reflection on the phenomena in question. The study identified 19 possible repercussions of chronic disease and 26 conditioning factors for adaptation to chronic disease modifiable by medical interventions, having these been systematized into 15 typologies. Also analyzed the processes by which demographic variables, as well as historical time, can modulate the expression of conditioning factors of adaption to chronic disease identified, intertwining with them. The study showed that, not to get sick also functional and psychologically, the sick person and his family should avoid indulging in the disease, giving only what the disease need, and have flexibility to promote the appropriate changes to the demands of the new situation and phase of the life cycle that is. Also showed that the adaptation of the family with chronic disease depends on the type and stage of the disease, the characteristics of their treatment, as well as several other intrinsic and extrinsic factors of the sick person and the family, and may take dysfunctional patterns. Medical interventions in the case studies that comprise the nuclear study point to the importance of the family doctor detect problems and encourage the functional adaptation over time, producing change, not only the organic point of view, but also personal and relational. In the sixth part, we discuss the results of the dissertation in its implications for medical practice and medical education. They present also some hypotheses for future work on the topic. Finally, the seventh part is composed of a glossary of terms used in the text of the dissertation, but because they are not central to the focus of the study, were not defined and discussed in the second part.