Design, Ecologia e Inovação Social: Concepção, Prática e Ensino

Full text: Download

Publisher: Unknown publisher

Preprint: policy unknown. Upload

Postprint: policy unknown. Upload

Published version: policy unknown. Upload

Abstract
O tema em estudo, Design, Ecologia e Inovação Social: Concepção, Prática e Ensino, foi investigado a partir de diferentes prismas: analisou-se em concreto a relação que o design tem vindo a desenvolver com a ecologia (nas suas diferentes ramificações que provêm tanto das ciências naturais como das ciências sociais) e mais recentemente com a inovação social, como meios para alcançar a sustentabilidade social e ambiental, que denominamos como “ecológica”, ou seja, como fazendo parte de uma ligação mais ampla com a “oikos”. A dicotomia “social e ambiental” refletiu-se nos vários movimentos ecológicos ao longo da história do design, por vezes assumindo uma relação de dominante e dominado, com contributos descontínuos para a formação de uma disciplina de design para a sustentabilidade ecológica. As diferentes concepções do design, de pendor mais tecnicista ou por outro lado mais humanista, refletiram-se em diferentes práticas, refletindo a volubilidade da importância dos fatores ambientais, socias e económicos na construção do conceito de sustentabilidade no design. Observando-se na atualidade esta divisão, entre reflexões e críticas direcionadas tanto para a ecoeficiência e para a ecologia industrial como para a inovação social, próxima da ecologia social, considerou-se pertinente, neste estudo, aferir a orientação do design para a sustentabilidade ecológica, quando abordada através do ensino não formal e de outras atividades de transferência de conhecimento, extracurriculares, e da investigação científica, proporcionada pelo ensino superior de design, em Portugal e noutros dois países europeus, Itália e Finlândia, que considerámos útil contrapor. O ensino é um veículo primordial para a formação de consciências e de práticas e reflete maioritariamente as intenções institucionais, políticas, sociais e económicas dominantes. O ensino não formal e outras atividades com origem nas instituições de ensino superior, compostas por conferências, congressos e similares, extracurriculares, refletem as intenções que dão corpo à formação que se pretende ministrar, e a investigação científica predominante em cada uma das instituições revela o predomínio dos interesses na área da sustentabilidade, de cada uma das instituições de design, estudadas. Nesta análise, tentámos obter os focos preferenciais, evidenciados pelas instituições de ensino superior de cada um dos três países em estudo e avaliar o seu predomínio ambiental, social e/ou socioeconómico, na expectativa de deslindar o seu contributo na concepção de um design mais ecológico ou para a formação de uma disciplina de design para a sustentabilidade, com reflexos na mitigação dos problemas sociais e ambientais. ; The subject under study, Design, Ecology and Social Innovation, Practice and Education, was investigated from different angles: it is specifically analyzed the relationship that design has been developing with ecology (in its various ramifications that come from both the natural sciences and the social sciences) and more recently with social innovation, as means to achieve social and environmental sustainability, which we call as "ecologic", that is, as part of a broader connection with the "oikos". The "social and environmental" dichotomy has reflected in the various ecological movements throughout the history of design, sometimes assuming a dominant and dominated relationship with intermittent contributions to the formation of ecological design discipline. The different conceptions of design, with more technical liability or on other hand more humanistic, reflected in different practices, more tecnocentric or more ecocentric, reflecting the volatility of the importance of environmental, social and economic factors in the construction of the concept of sustainability in design. Observing today this division, between reflections and criticisms directed, both for eco-efficiency and industrial ecology as well as social innovation, close to the social ecology, it was considered relevant, in this study, to measure the orientation of the design for ecological sustainability when addressed through non-formal education and other activities to transfer knowledge, extracurricular, and scientific research provided by the design of higher education in Portugal and in two other European countries, Italy and Finland, which we deemed useful to compare. Education and formation is a primary vehicle for the formation of consciences and practices; and reflects institutional intentions, political, social and economic mainstream. The non-formal education and other activities, resulting from the higher education institutions, consisting of conferences, conventions and reflect the intentions that embody the training intended to be minister, and the predominant scientific research at each institution reveals the interests in the area of sustainability, each design institutions studied. In this analysis, we tried to get the preferred focus, evidenced by higher education institutions of each of the three countries under study and evaluate their environmental, social and/or socio-economic predominance, hoping to unravel its contribution for a more ecological design, or for the formation of a design discipline for ecological sustainability, reflected in mitigating the social and environmental problems.